quarta-feira, 8 de junho de 2011

Quando pensar que tudo estiver acabado,
lembre-se do fogo que arde em mim
e dos sonhos que movem montanhas,
ergua a cabeça
e seja forte.
Deixe a alma inoscente de uma criança
lhe dizer o que fazer,
e quando lhe for viável,
voe,
e não pare de dançar,
pois crianças voam,
enquanto nós,
dançamos descontrolados,
nesse inverso,
neste inverno,
despreparado.
Voe amor,
fuja deste caos,
e vá para um lugar melhor.
Deixe os seus pesadelos no passado,
apague as marcas que te causaram dor,
se esqueça de tudo que pássa na TV,
lembre-se apenas que temos uma emergência,
há alguém me escutando?
Eu escuto sua voz
perdida no escuro,
mais alguém a escuta?
Então,
eu te vejo chorar,
e qualquer tipo de ruído se torna fúnebre,
mas não vamos mais alimentar isso,
pretendo esquecer também,
em vez de me drogar.
Acho que temos uma emergência,
alguém mais a vê?
Alguém mais a sente?
Se não,
apenas sonhe,
pois o chão irá se abrir sob os meus pés,
e caio no escuro outra vez,
e continuo,
escutando sua voz me pedindo ajuda.
Quer que eu te ajude a decidir?
Eu digo:
"Faça o que quiser de mim",
e esqueça de tudo depois.
Depois da noite longa
que nos levou ao ápice da loucura.
E a pressão em sufoca,
me sufoca cada vez mais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário