sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Meu pensamento em teatro mudo

Eu te vejo em fotos
Ora loira,ora morena
Quando morena,
tua voz me persegue no escuro
e no claro seus olhos me iludem
Imagino seus lábios molhados tocando meu pescoço
sinto até o gosto,
do prazer da meia noite,
onde todos os gatos são pardos,
onde seus lábios são mais que molhados,
eles são doce.
E quando amanhece,
o som perverso da sua voz
invade o peito
e me deixa com medo,
medo de não me querer na próxima noite.

Quando loira,
me deixa louca(o) só de pensar em ti
sua voz rouca e seu andar sensual
faz qualquer um imaginar mil coisas.
coisas da qual eu já imaginei,
coisas da qual não consigo imaginar,
porque eu não quero só pensar,
quero presenciar.
E no final da noite,pedir bis
meio assim,só de sacanagem...
Quando me deixa de quatro no ato,
mas na verdade nem é libertinagem,
é apenas um fato.

E apesar de tudo,
elas não são apenas pessoas,
são as personagens principais do meu teatro mudo,
onde tudo ao redor se cala,e a única coisa que fala
é a minha fantasia.
Mas como eu queria,
e vou querer cada vez mais...
Palavras banais,mas sem ironias,
Como eu queria,
e vou querer sempre mais.

Ana Carolina e Weverton.
Dedicado á General Sih e Nise Palhares.

Nenhum comentário:

Postar um comentário