segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Com quantos minutos se faz um avião

Percebi que são de quatro em quatro minutos, no mais tardar seis. Eu fico olhando para o teto pensando em mil coisas e no meio dessas mil tem eu, você, todos eles e elas. Tá tudo branco lá no teto com umas manchinhas de mofo. E a imagem é a seguinte: eu mofada na cama reagindo de quatro em quatro minutos, no mais tardar seis, quando passa um avião lá no teto de estrelas. E quando um deles quase bate na Lua? Nossa, é uma euforia! "Olha lá, ele vai bater! Uuuuuh, passou perto!". Mas nunca acontece realmente. Acho que os aviões possuem algum tipo de sensor que os impedem de bater na Lua ou em alguma estrelas. Coisa do tipo: "Ah não, já tem gente demais no mundo a lua nesse avião, melhor desviar e seguir em frente".
Acho que essa é a prova de que não existe teletransporte, pelo menos não ainda, e nem que um mesmo corpo pode ocupar dois espaços distintos e distantes ao mesmo tempo, mas quero ver quem vai se atrever a dizer que eu não estava ali na cama mofada, no teto manchado e lá naqueles aviões que passavam de quatro em quatro minutos, no mais tardar seis.

Nenhum comentário:

Postar um comentário