terça-feira, 26 de novembro de 2013

Um beijo e volte sempre

Quer entrar? Beleza, entra aí. 
Quer um café? Toma. 
Açúcar? Pega ali no armário.
Só não me peça atenção. 
Só não me peça afeto. 
Só não me peça amizade forçada. 
Só não me peça amor. 
As únicas coisas que eu posso te dar são café e mais alguma coisa. 
Sei lá, uma bala talvez.
Quem sabe no meio da testa. 
Me desculpe pela grosseria.
Mas não me venha com intimidades.
Não quero acordar 4 horas da manhã com o celular vibrando e apitando alertando uma nova mensagem. 
Na verdade eu quero sim. 
Mas se for sua eu não quero, beleza?
Se for para acordar 4 horas da manhã que seja por uma coisa que vai me fazer ficar alegre, pelo menos, algo que vai tirar meu sono no mínimo, por que senão eu nem acordo. 
Acordaria a qualquer hora da noite se fosse pra eu ver coisas que eu quero ver, e isso é só meu e não vou dividir com você. 
Intimidades, manja?
Não vou ficar falando sobre mim nem nada. Isso leva tempo. Eu não sou assim. 
Não sou esse tipo de pessoa que fala que a sua vida é como um livro aberto. 
A minha não é e só abre quem tiver a chave. 
E você não tem.
Acho que estou sendo grossa, bem, me desculpe por isso, mas quero ser bem clara. 
Quer entrar? Beleza, entra aí. 
Só não peça meu número, 
o meu endereço, 
não se mude para perto da minha casa 
e nem pergunte sobre os meus livros favoritos.
Quem você pensa que é para perguntar sobre os meus livros?
Se por ventura algum dia eu começar a falar sobre os meus livros 
e porque eu gosto deles
e você ver de fato os meu olhos brilhando por falar deles para ti, 
aí cara você me abraça, 
me dá um beijo na testa 
e passa a mão pelo meu cabelo falando o quanto eu pareço uma criança falando disso. 
E então será lindo, 
mas isso não vai acontecer. 
Não se empolgue.
Não quero ser um ponto cego no seu caminho.
Eu sou confusa.
Vou te bagunçar infinitamente mais do que já está, 
e eu sei que está confuso porque para uma pessoa ter interesse em mim só sendo bem louca.
Aquelas bem fora do comum, 
que aparentemente a mãe deixou cair no chão de cabeça pra baixo antes de sair da maternidade.
Nada contra que anda caindo por aí, 
mas sério, 
prefiro as pessoas que eu prefiro.
Um pouco mais de pé no chão.
Algo que mê alguma certeza, garantia, segurança.
Por mais porra louca e frágil que seja.
Não que você fique andando nas nuvens, eu até gosto disso.
Mas o lance é você e não o que você é.
Não quero mais ninguém.
Eu estou bem sozinha.
Na verdade não estou.
E estou em crise.
Mas é minha crise e ninguém precisa saber disso.
Não sou esse tipo de pessoa que é feliz sozinha, sabe?
Eu preciso de alguém pra compartilhar minhas coisas.
Preciso de alguém pra me contar piadinhas sem graça e eu rir mesmo assim.
E nem estou falando de amor.
Isso é uma fraude.
Por isso eu não posso te dar.
Na verdade não é nem por isso.
Eu não quero mesmo.
Eu quero só acordar bem cedinho,
e olha que eu odeio acordar cedo,
mas quando é pra acordar pra ser um pouquinho meio fora do comum,
eu gosto,
porque me deixa de alma tranquila,
e com um tesão enorme em fazer coisas.
Coisas que não são rotineiras.
Como acordar cedo e ficar feliz com isso.
Isso existe?
Pois bem.
Acordar cedo e comer pão de queijo.
Gosto mais de pão de queijo do que de você.
E tomar suco de laranja sem açúcar.
Cara, eu amo isso!
Isso sim é amor,
e é real.
Fraude é alguém dizer que te ama e essa pessoa não ser sua mãe.
Eu credito no amor, deixemos bem claro isso.
Mas é um lance diferente.
Qualquer dia eu te explico isso. 
Vou ficar cerca de 30 minutos explicando minha teoria,
e você provavelmente vai ficar me olhando estranho sem concordar.
Legal.
Gosto quando discordam.
Gosto mais ainda quando escutam, aceitam e apresentam um resposta filosófica baseado no que eu disse.
Isso sim é amor de verdade.
Mas isso é outro papo.
Eu só não quero ter que passar por você todos os dias e me sentir na obrigação de te dar um oi com um sorriso de batom vermelho. 
Mas eu não conseguiria,
então eu simplesmente estaria pensando em outros mundos,
e te dando um oi.
Mas um oi sem expectativa,
porque elas estão todas em outros ois por aí.
Outros ois que esperam mais do que um oi e um sorriso.
Se é que me entende.
Mas beleza. 
Acho que estamos conversados.
E não pense que eu sou uma vadia de coração de pedra. 
Eu sei bem como é ser rejeitado,
sei muito bem como é criar expectativas sobre alguém e se ferrar no final.
Eu sei tudo isso.
Mas bola pra frente que o mundo não para pra você descer.
Então vai criando coragem pra pular do bonde, 
porque eu já fiz isso em todas as vezes,
e estou tentando fazer agora de novo.
Acho que você me entende,
ter uma pessoa em mente e tal,
mas estou pulando do bonde,
e te incentivo a fazer o mesmo porque não vou deixar você subir.
Um beijo
e volte sempre.

Um comentário:

  1. Oi Ana! Tbm sigo seu blog há muito tempo, acho que até antes de você me seguir, faz uns anos eu acho, rs. Fico feliz que você tenha se identificado, tbm gosto bastante do seu blog.

    um beijo

    ResponderExcluir