quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Falando com as paredes

Eu simplesmente não,
não compreendo,
e eu digo que sim,
mas me queimo por dentro,
por me importar tanto,
por me doar tanto
e não me devolverem o troco.

Eu finjo estar bem,
finjo estar feliz,
finjo não ser tão importante para mim,
mas um penhasco se abre sob os meus pés.

Não sei quando posso cair,
não sei quando os meus sentimentos me empurraram,
não sei quando eu simplesmente irei me jogar,
mas sei lá,
deixa rolar.

Tudo o que eu preciso é de um dia lindo amanhã,
preciso de paz,
e então encontrarei a mim,
só assim,
só.

Preciso de um lírio,
de um sorriso,
de um café.
Venha até mim,
me guie,
me deixe ser o que me faz bem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário