quarta-feira, 29 de junho de 2011

Intelecto sujo, confuso e inocente

Seria eu injusta,
de contemplar po meu intelecto
tão sujo ás vezes,
só para me esquecer
de tudo que passei?
Seria injusto dizer,
que a minha piscina tá cheia de ratos,
e que as ruas por onde eu corro
estão cheias de cacos?
E admito,
que nas horas mais impróprias,
o meu intelecto sujo imagina você.
Inoscente,
indescente,
apenas você.
Mas quando a noite vem,
eu contemplo o lago mudo,
tento apagar o que resta
do meu intelecto sujo,
mas meu coração dispára em direção ao céu,
ao ver que estamos tão perto,
mas ao mesmo tempo,
tão distante.
Me agoniza em pensar,
que horas vai e horas vem,
e eu sempre soube
que mais ninguém,
e eu repito,
mais ninguém,
vai fazer meu coração de pedra quebrar.
-Chega de corações partidos,
pois só quero me contentar,
e contemplar o meu lago mudo,
eu sozinha no meu mundo,
pensando em você,
com o meu intelecto sujo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário