quinta-feira, 23 de junho de 2011

Estrada, doce estrada...

E o que eu faço
se onde eu queria estar é na estrada
e não sozinha em casa?
Poderia reconsiderar,
já que queria estar dirigindo em uma longa estrada
durante esta noite sob o luar.
Mas sou apenas uma menininha
que espera o táxi á meia noite,
sozinha,
com os meus dreads sobre os ombros
e pensativa.
Andando sem saber onde ir,
com um motorista desconhecido
e cheirando a cigarro,
e eu olho para fora
e vejo o rastro dos outros carros.
Eu escuto a música que toca ao fundo
e ela diz assim:
"Don't stop believin...",
como já disse,
poderia reconsiderar,
sair daquele táxi e começar a andar,
mas pensei em você a noite toda...
Fui forte e confiante,
mudei as estações da minha vida,
agora no meu velho rádio só toca Johnny Rivers
e a chuva lá fora
me explica,
que na vida,
eu tenho que ser durona,
e simplista.
Vivendo os delírios desta noite na estrada
e os devaneios desta noite fria.

Nenhum comentário:

Postar um comentário