sábado, 31 de julho de 2010

Te amo,Te amo?

Andando pelo nada eu vi,palavras ao ar,sem razões do que sentir.Olhos que se desencontram sem circunstancias,pudera eu ser ainda criança,pra não sentir.
Mas aconteceu.E o vento corta todas as barreiras entre você e eu,bem...pudera ser,sua inoscencia não se limita em palavras,podia ao menos dizer o certo...mas como sabe,as coisas mudam e palavras são só palavras.
Enquanto meu coração pulsa em toques desastrados,um alguém grita dizendo que é amor,sem ao menos saber dos fatos.
Mas eu,cansada em meu canto,teimo em dizer e escutar o que tens pra dizer.Não...Não me canso de tentar,e mesmo caindo,pude me levantar.Muito antes de saber do que se tratava,lhe trazia mil rosas roubadas,e o que você fazia?Simplesmente não dizia nada.
Mas ainda sim,eu tentava dizer,sim...eu podia te entender,mas foi muito complexo.Minha ingenuidade nao permitiu meu bem estar,fiquei sem voz,sem fôlego,impossível de gritar.

E mesmo que não faça diferença alguma,me lanço em direção ao sol,buscando ser mais forte.Lá no alto eu caio em seus braços,e mesmo que não acredite...eu falo.
Meus sentimentos não mentem.Mas sua ideias diferem dos meu passos.
Eu sim sou capaz de dizer o que sempre foi verdade.E mesmo me doendo no peito,eu disse.Mas você sem nenhuma dor sempre falou sem razões,falava palavras ao vento sem circuntancias,sem dar simplesmente ouvido as emoçoes.

 Ana Carolina

Dedicado á Pedro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário