sábado, 31 de julho de 2010

Eu nunca te quis

Tudo que ocorreu naquela noite,foram devaneios desviados
foram imagens submetidas a ilusão
Me resta apenas o folêgo agora,e enquanto minha alma chora
teu corpo ri de minhas palavras estranhas.
Meus passos viram em uma esquina torta
mas sei que eles procuram um caminho linear
Mas de longe eu escuto a voz de um estranho me chamar
Quando viro e vejo que é você
meu coração acelera e eu tampo os olhos sem querer te ver
Meu nome sai de tua boca
e eu não quero escutar,pois quando tinhas o que falar
você nunca me deixava terminar
Em minhas mãos ainda está a marca da última briga
mas eu sei que você não liga,porque vocÊ nunca esta aqui
Nos meus olhos,o ódio queima sabendo que suas duas faces se apagaram dentro de mim
Na minha sombra,vejo sonhos em suas palavras
coisas que poderiam existir,mas não ouve abertura
não soube o que sentir
e depois de vários e vários copos de vodka
você finalmente diz tudo que eu queria ouvir:
-Eu nunca te quis!
E apesar de tanta frieza,minhas lágrimas já secaram há muito tempo
e neste momento
nem meu coração pupita mais
Minhas mãos tremulas escrevem fatos reais
e meus olhos cegos veem o que há muito tempo eu não via
Verdades quebrando mentiras
Em minha cabeça um novo horizonte há por vir
nas estrelas eu vejo desenhos irreais
no espelho não vejo nada que um dia já vi
e apesar de sozinha
o medo não me aflinge mais,o alcool não me embriaga mais...
dentro daquele carro eu via
escuridão em uma noite fria.
me sentia sozinha,mesmo sabendo que estava ao meu lado
mas a sua companhia não me satizfazia
jogava minhas esperanças em um imaginário lago
nele eu me afogo,e eu vejo sentimentos mortos
e corações rachados,mas a verdade é que hoje eu sou feliz
pois tudo que eu precisava era sair do seu lado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário